seguidores

12 de julho de 2009

*diploma - “E o vento levou” pra melhor!


OBSOLETO - diploma de jornalismo não é mais obrigatório na contratação, mas continua quebrando galho pra empresários que querem garantir trabalho com qualidade | imagem: Val da Costa

Por Valdívia Costa

Se analisarmos essa questão do diploma de jornalismo pelo lado ‘conformado’ ou ‘positivo’, digamos assim, veremos que os colegas estão se acomodando muito bem, até o momento. Ninguém foi demitido nem estão impedindo nenhum jornalista formado de continuar sua labuta diária... Pra dizer a verdade, em meio ao caos, alguns colegas paraibanos até conseguiram o que muitos que trabalharam a vida inteira, diplomados, inclusive, nunca alcançaram, um reconhecimento pelo esforço, dedicação etc.

Muito se comentou aqui nesse blog sobre a crise nos Associados no Brasil, culminando com as demissões de muitos jornalistas na Paraíba, principalmente em João Pessoa, um pouco antes da aprovação da liminar do diploma. Soube que alguns demitidos nem choraram. Aqueles que pensaram no recomeço glorioso de um pequeno negócio ou no investimento na carreira de outra forma. Outros, com mais sorte e competência, se destacaram, foram para Recife, onde o mercado é completo, competitivo e instigante.

Nota-se, então, um momento tênue enquanto a Proposta de Emenda à Constituição (Pec), protocolada esta semana propondo a criação de uma lei de exigência do diploma de jornalismo, segue para votação. Eu diria que é até um período de guerra silenciosa, por isso de aparentes mudanças, a se basear pelo que estamos presenciando.

Penso, inclusive, que o momento é propício pra fortalecermos a classe por todos os lados. No âmbito acadêmico, vamos continuar tentando nossas pós-graduações em Comunicação. Confesso a vocês que ando namorando com História nas últimas semanas, mas já me conscientizei em relação ao casamento com minha área de graduação.

Bem que as mudanças poderiam acontecer dentro dessa perspectiva, pra melhor. Mas não podemos brincar com juristas, muito menos com políticos. Todos, no final, se dão muito bem e até torcem contra a imprensa, mas podemos sim formar alianças e procurar uma reabilitação na profissão. Todos, afinal, aguardam alguma bonança.

3 comentários:

São disse...

Jornalismo foi uma profissão que me atraiu quando jovem, mas aqui em Portugal anda pelas ruas da amargura, actualmente.


Abraço.

KINHA disse...

Obrigada por tudo e já aproveitei a visita para deixar mais um voto em outro email que tenho.
Beijo

Emanoella disse...

Val, não vai mudar muito... as redações já andavam abarrotadas de profissionais sem diploma, ninguem nunca explica o porquê da excessão. Sigo a máxima da nossa amiga de faculdade Azenê, "os bons nunca são disperdiçados".
Abraços.