seguidores

15 de novembro de 2010

ILUSIONISTA

SENTINELA - Sempre esperamos um amor perfeito... mesmo sendo imperfeitos. | imagem:  A trama
VALDÍVIA COSTA


Para que a coragem se o que falta é o amor? Para que o amor se o que falta é a liberdade? Nesse labirinto de intenções entrelaçadas a descrenças, perdemos a praxe de procurar a saída. Esperamos a luz, procuramos o foco, mas nada transforma. O vazio é clausura, mas, só ele, é quem preenche a casa.

Cômodos ocos, gavetas transbordantes de exílios, de épocas em que pouco nos preocupavam as pessoas... Assim foi mantida a vida, arrumada pra visitas, enfeitada pra vitrine. Só que sentimos o anúncio de todas as mudanças. Antecipado, ele é alvo de quem calcula, a anos luz de distância, o tempo.

Somente essa passagem nos remete aos porões onde trancafiamos as verdades. O tempo, na casa, arrasta as correntes, assombrando a cela de uma cabeça prisioneira. Assovios... é o vento cruzando quartos e salas, cantando essa solitária vida encravada entre relíquias inúteis para conversas.

Somos nós que instalamos as vontades. Acomodamos todas elas em prateleiras de fácil acesso para querê-las sempre. Essa tarefa, às vezes, desfeita por uma ou outra verdade, que escapole da clausura, é executada à risca por quem tece ilusões sentado em cadeira de balanço, exibindo e recolhendo a dor de não ser, de não saber ou de não aceitar.

 Achar que tudo é lucro causa conflitos intra e extra venal. Misturar valores com sentimentos é querer que a morada seja gente, que o dinheiro fale (e alto!) e que o sentimento flua das paredes. E a casa tem suas lacunas, apesar de mobiliada e frequentada. O sopro frio e milimetricamente congelante percorre o imo de quem mora nela.

Tudo o que preenche os olhos não agrada o espírito porque, de fato, não é conteúdo o que a casa precisa. Sentimentos e sentidos outros que nunca chegam. Por isso, a porta aberta, esperando uma visita que traga lembranças agradáveis.

Ou a esperança, fraca, resiste ou a vida ainda interessa. Certamente, o amor não é água batendo em pedra dura, pois não o vemos, não o sentimos, apenas o confundimos com a doença do apego, que se desmancha como mágica. Amar assim é desdobrar a memória em gestos de carinhos que não repetem-se mais. É tocar nas posses, apertá-las de encontro ao peito, suspirar, chorar e dormir rezando pela próxima visita.

Um comentário:

Caяoℓ Łeaℓ disse...

Seu Blog ta muito legal, parabéns! Mas que tal colocar seu blog com dominio proprio, muito mais facil das pessoas aprenderem seu endereço. Caso tenha interesse entre em contato conosco pelo endereço www.carolleal.com.br.