seguidores

14 de maio de 2011

O PENSAMENTO NO BRASIL

Zigmunt Bauman, o pesquisador da nossa atualidade vai estar no Fronteiras do Pensamento, que tem foco na compreensão do século XXI: o debate sobre a identidade da época em que vivemos e as perspectivas para o futuro. Sem esquecer valores básicos como o pluralismo das abordagens e o rigor acadêmico e intelectual.
imagem: Alguma Coisa BlaBlog

# Viver nossa atual condição sociocultural, com toda a infinitude possível de escolha, com a insolidez e a descartabilidade de tudo, é um tanto quanto desconfortável. Olhar para essa vida que só se derrete em estresse e desinteresse pela relação humana é de extrema necessidade, pois se não nos entendermos continuaremos na "vida de gado", como popularizou o filósofo musical Zé Ramalho.

Para muitos, dar de cara com os termos "era da informação" ou "pós-modernidade" não quer dizer nada: apenas nomes chiques pra denominar o caos em que se encontram os grandes centros urbanos com suas desigualdades socio-econômicas. Mas para muitos outros (na Itália, por exemplo, mais de 30 mil pessoas esperam aualmente um encontro de filosofia, reunindo grandes pensadores europeus), a vida contemporânea tem um sentido dominador, esmagante e cada vez mais excludente às minorias sociais, como pequenos grupos religiosos ou urbanos.

O Brasil começa a discutir os problemas sociais em alguns pontos científicos bem pertubadores. O sociólogo e jornalista Laymert Garcia dos Santos apresenta estudo sobre a modernidade que expõe mais os nossos conflitos. O que nos forma e como chegamos a essas informações? Ele projeta um diagnóstico inquietante sobre o futuro dos seres humanos.

Por este vídeo do Laymert dá pra notar que ganhamos um programa televisivo, em cadeia aberta nacional, só sobre esses estudos sócio-político-filosóficos. E o programa Café Filosófico, com sua série inacabável e sempre vasta Invenção do Contemporâneo dão essa contribuição midiática para nossa formação do pensamento.

Mas surgem mais iniciativas de nos fazer parar de aceitar essa vida bovina na condição humana. Há três anos, o país ganhou ainda um evento interessante e que está mostrando pensadores afiados. O Fronteiras do Pensamento alimenta a nossa capacidade criativa, como descreve o site do evento. "Na arte, nos negócios e na vida cotidiana. Ele não assegura a felicidade, mas nos aproxima da compreensão do que queremos ser." Isso é o pensamento que este seminário internacional vai apresentar, com temas, ideias e personalidades do nosso tempo. De 2007 pra cá foram 80 conferências internacionais para 50 mil espectadores.

O evento vai acontecer este ano em São Paulo, além de sua cidade sede, Porto Alegre-RS. "É difícil buscar uma definição sobre o sentido do mundo em que vivemos neste início de século. O Fronteiras quer abrir espaço para este debate. Buscar tendências, de uma maneira plural e interdisciplinar, aceitando a provocações de intelectuais, cientistas e líderes com visões muito diferentes umas das outras e originários de regiões díspares da terra, mas que estão, cada um a seu modo, na vanguarda em suas áreas de atuação", explica o professor Dr. Fernando Schüler, curador do seminário.

fotos Armonte

BAUMAN - Em recente entrevista à revista Filosofia, um dos mais esperados palestrantes do Fronteiras, Zygmunt Bauman, que vai se apresentar dia 27 de julho, esclareceu alguns pontos dos seus atuais estudos sobre o pós-moderno que ele vem pesquisando com dedicação. "Sua obra se caracteriza pela extrema perspicácia na análise dos problemas sociais que perpassam a experiência cotidiana do homem contemporâneo na conjuntura valorativa denominada pelo autor de Modernidade Líquida", descreve o periódico.

Ele é quem dá o grande recado da atualidade: "todos os termos pós-modernidade (que foi criado por Georges Balandier, que sugeriu em francês o surmodernité), modernidade tardia, segunda modernidade, implicam que a realidade não é mais como ela costumava ser, quando nós a descrevíamos como sendo apenas 'modernidade', sem um qualificador". Bauman é realista. Ele diz que esses termos afirmam explicitamente apenas uma coisa: "este mundo aqui e agora não é idêntico ao mundo de 50 anos atrás".

Com o termo Modernidade Líquida, o cientista procurou nos dizer não apenas o que essa condição deixou de ser, "mas também que qualidade ela adquiriu que a distingue da modernidade clássica e, por conseguinte, exige uma nova 'caixa de ferramenta analítica' e uma nova agenda para estudos sociais e culturais". Interessante o desenho que ele faz ao comparar a liquidez denominada por ele como a "incapacidade de reter sua forma por muito tempo e sua propensão a mudar de forma sob a influência de mínimas, fracas e ligeiras pressões, característica mais consequente de nossa atual condição sociocultural."

CONFERÊNCIAS
25/05 (qua) Fredric Jameson
Norte-americano, crítico literário e pensador político, Prêmio Comemorativo Internacional Holberg em 2008.
14/06 (ter) Shirin Ebadi
Iraniana, Prêmio Nobel da Paz 2003. Primeira mulher a ocupar o cargo de juíza no Irã. Líder mundial pelos direitos humanos, exilada na Inglaterra.
22/06 (qua) Miguel Nicolelis
Brasileiro, médico neurocientista, seu trabalho com próteses neurais integra a lista das “10 tecnologias que vão mudar o mundo”, segundo o MIT.
12/07 (ter) Zygmunt Bauman
Polonês, sociólogo, Prêmio Príncipe das Astúrias em 2010, autor de Modernidade líquida, O mal-estar da pós-modernidade e Vidas desperdiçadas.
09/08 (ter) Lech Walesa
Polonês, Prêmio Nobel da Paz 1983, fundador e líder do Sindicato Solidariedade e ex-presidente da Polônia.
28/09 (qua) Luc Ferry
Francês, filósofo, ex-ministro da educação da França, autor de Aprender a viver e A nova ordem ecológica.
22/11 (ter) Alain de Botton
Suiço, filósofo, autor de A arquitetura da felicidade, Desejo de status e Como Proust pode mudar sua vida.
06/12 (ter) Orhan Pamuk
Turco, Prêmio Nobel de Literatura 2006, autor de Istambul, Neve, O castelo branco e Meu nome é vermelho.

SERVIÇO
O QUÊ: Fronteiras do Pensamento 2011
QUANDO: a partir de 25/05, às 20h30, com a palestra do crítico literário e pensador político norte-americano Fredric Jameson.
ONDE: Sala São Paulo (Praça Júlio Prestes, 16 – Luz)
INGRESSOS: passaporte pra 8 conferências de R$ 1.640,00 (balcão mezanino), R$ 1.800,00 (plateia elevada) e R$ 1.960,00 (plateia central), parcelado em até 5x no cartão de crédito. Os ingressos não serão vendidos individualmente.
ONDE COMPRAR: Ingresso Rápido (pelo site www.ingressorapido.com.br ou telefone 4003.1212) ou nas Livrarias da Vila.

INFORMAÇÕES

4 comentários:

Toninho Borbo disse...

É importante pontuar questões como essa que falam e discutem a condição da vida contemporânea. E junto com a tamanha importância também a participação da academia. Muito bom...
Valeu nega, muito bom o texto.

Marco Antônio disse...

o conteudo e o layout do seu blog sao muito bons, vc mesmo quem montou o layout dele? abraços

Marco Antônio disse...

o cabeçalho do blog é em flash?

De acordo com disse...

Oi, Marco! É, eu acrescntei imagens no cabeçalho, q é em flash. O template é do Blogger. Obrigada pela visita! 0/